Vou bater na Optimus.

17:10:00

Mas tenho direito a isso porque sou cliente da empresa. Já fui mais (cliente), até ter uma série de chatices que, verdade seja dita, não são directamente culpa da empresa mas dos funcionários (e da sua incompetência) que dão a cara pela mesma.  Alguém não anda a fazer o seu trabalho no recrutamento de colaboradores...

Mas o que me irrita profundamente são as campanhas publicitárias da empresa. Especialmente a última com aquela cantilena dos Beatles, "All together now". É cachty, fácil de decorar e é... em inglês. Será que os criativos por trás da ideia não conseguiam pensar em algo em português, sendo que a Optimus é lusa e o seu mercado é essencialmente nacional?

Como se não bastassem enveredarem pelos caminhos mais fáceis e merdosos da publicidade, agora vêm com um anúncio sobre a "Aldeia Global". Para isso filmaram em Trás-os-Montes, procurando fazer jus ao conceito de aldeia. E lá mostra o velhote, que mal pode com as pernas, a lavrar os terrenos com um arado puxado por um burro. Entre outras situações "típicas" do quotidiano de uma aldeia transmontana. 

A sério? Não, mas... a sério?

São clichés e estereótipos de uma ponta a outra sobre o interior transmontano. Parece-me que a mentalidade dos autores da publicidade parou algures no tempo da "outra senhora", onde se mostrava o Interior humilde e austero, mas honesto e trabalhador. Assim se contribui para manter os estereótipos e a ignorância sobre a realidade do próprio país.

Porque é que não foram pelo caminho inverso? Fica aqui a ideia (e gratuita) para os senhores criativos: porque não mostrar exactamente o contrário. Apesar de estarem no cu de Judas, os habitantes da aldeia a utilizarem e interagirem com os diferentes produtos da operadora? A telefonarem uns aos outros, a usarem a internet de banda larga, a fazerem video-chamadas, etc.

Ai não podem fazer isto? Pois não. Porquê? Porque apesar de sermos uma aldeia global, cobertura de rede da Optimus nas aldeias transmontanas é algo que não existe.

You Might Also Like

0 pessoas com demasiado tempo livre comentaram isto