Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2012

"Esta música é tão triste!"

Imagem
Foi com este comentário que fui brindado. Tendo em conta que a (grandiosa e brutal) música se chama "The Funeral" (e a pessoa sabia-o) estava à espera que ela fosse o quê?

Perguntas que já não ouvia desde 1998:

"Então vamos lá ao videoclube?"
Não só a minha mente tinha apagado por completo a existência de videocassetes (soa-me melhor que "cassetes de vídeo" ou "VHS") como nem sequer me consigo recordar da última vez que entrei num "videoclube".
Além do toque de classe da pessoa ter dito "videoclube" em detrimento do triste e insonso "clube de vídeo".

Está oficialmente inaugurada a época das festas das aldeias durante o Verão.

Imagem
Está igualmente inaugurada a época das minhas dores de cabeça no Verão.

Numa nota pessoal, eu até entendo que toquem as músicas "populares" e o que está na berra (brasileiradas, pop fm e afins), mas por favor, não mexam nos clássicos. Ainda hoje sinto a pele da parte de trás do pescoço a arrepiar-se de cada vez que oiço os  primeiros acordes de "Starway To Heaven". A culpa? De um conjunto qualquer de nome impronunciável que deveria ter sido detido (pela GNR, claro está!) no fim da actuação por homicídio de primeiro grau de um clássico da História da Música.

Não me apetece que amanhã seja segunda.

Imagem
Aquele momento altamente espectacular em que duas bandas das quais um gajo gosta se juntam de alguma forma e dá numa cena tão boa que até me esqueço por momentos que amanhã é segunda.

O nome...

Imagem
... é parvo. É daqueles nomes que um tipo pronuncia reluntantemente. "Conheces estes tipos? Os... humm... Pon-p-run-run?" dizemos nós de forma quase imperceptível, mas depois "Como é que se chamam mesmo?" E um gajo lá sopra o ar, encolhe os ombros e dispara para o ar "Pony Pony Run Run". "É pá! Que nome mais parvo!" E um tipo ainda se tenta defender com um "Pois... são franceses...".
De qualquer maneira, bastou premir o play para uma das músicas para ouvir um "Foda-se, isto é bom!".
Passados uns minutos e mais um par de músicas... "Ó pá, tu vais ter que me passar isto!"
E foi assim que converti mais um. Para já, estes tipos fazem a banda sonora do meu Verão.

Imagem
- You still wanna have dinner? - No. - It would be awkward, wouldn't?

Eu devo andar parvo.

Imagem
Porque nos últimos tempos tão cedo me apetece praticar exercício físico que nem um parvo, como, logo a seguir, me apetece voltar a fumar. Talvez a expressão "voltar a fumar" não seja a mais correcta, pois o meu currículo de fumador resume-se para aí a uma semana durante os tempos do secundário. A malta fumava, um gajo tinha que fumar também. Ah... dinâmicas de grupo na adolescência são fodidas. Mas, ao fim de uma semana deixei-me disso. Acho que nem acabei o maço (um Marlboro, escolhido apenas porque... gostava do aspecto da embalagem), entreguei-o a um colega qualquer para acabar com o mesmo. Desde então nunca mais fumei tabaco. Claro que alguma erva teve que ser fumada ao longo da universidade, mas nada de especial. Fumar é coisa que não me assiste, como diz o outro. Pelo menos até agora, pelo que estou a ver. Olho para os maços e sinto uma forte vontade de tirar um cigarro. Não faço ideia porque acontece isto, mas creio que seja uma fase de parvoíce temporária. Bastante c…
Imagem

Tudo neste video é épico.

"If you want to find some quality friends you gotta waid through all the dicks first."

Imagem
Para quem pensa que South Park é uma série sem profundidade e inteligência. Apenas uma coisa grosseira e obscena, aqui vai o contrário, suas bestas.

Não me dêem ideias.

Imagem
A sério. Obviamente que isto é um pouco cretino, estúpido mesmo, pois não ficaria meia-hora à espera que me servissem, mas de certeza que dá um gozo tremendo fazer algo assim.
Agora, tenho é pena de não existir mostarda e ketchup em repartições de Finanças, Conservatórias, Lojas do Cidadão e afins.

Um álbum para o Verão.

Imagem
"Never trust a happy song" é possivelmente um dos melhores álbuns indie do ano passado. É raro conseguir ouvir um álbum de uma ponta à outra sem tocar no botão de "forward" neste ou naquele tema. Em "Never trust..." isso nunca aconteceu. Nem na primeira audição, mais susceptível a estas coisas do zapping sonoro, nem em nenhuma outra. E isto normalmente significa que está ali um álbum do caraças criado pelos GroupLove. 


É uma excelente banda sonora para este Verão. O meu carro que o diga.

Não sei o que se passa que quando oiço falar no Ramadão a primeira coisa que me ocorre é isto.

Imagem

Põe-te fino e não faças merda.

Imagem
O tempo que um tipo passa solteiro é inversamente proporcional aos critérios de selecção junto dos indivíduos do sexo feminino.


Que ponha a mão no ar quem, durante longa travessia no deserto, olhou para um espécimen, algo que noutras circunstâncias nem o faria, e pensou "Eh... até não é assim tão má!"

Esta música lembra-me...

Imagem
Os Verões passados. As tardes a fazer nenhum. A ler, a escrever, a ouvir música. A andar com os amigos. A andar com as namoradas. As idas ao cinema. Ao rio, à piscina. A ausência de chatices ou as chatices "menores" (estudar, tirar boas notas, fazer trabalhos...), as aulas, a escola, as turmas, os colegas, as paixões. Sonhos, medos e um futuro que vinha aí. A adolescência que já lá vai.

In your face.

Imagem

A minha posição sobre carros com tejadilho pintado de cor diferente da carroçaria.

Imagem
Se não for um Mini... é parolo.

Hoje foi um dia mau.

Imagem
Só me apetece ouvir isto.

Imagem
Porque é que eu desconfio que se o "Marés Vivas" fosse em Lisboa:

- havia mais publicidade sobre o mesmo.
- os bilhetes (diários e geral) custariam, no mínimo, o dobro.

Não correspondendo as duas afirmações acima à realidade, a pergunta que se coloca é:

Como caralho é que eu não vou a este festival?

Franz Ferdinand, The Cult, Wolfmother, The Hives, GARBAGE!

Foda-se!


Onde é?

Imagem
É a pergunta que faço. Onde é que estão a dar os iPhones? É que eu também gostava de ter um, mas "soltar" no mínimo uns 400/500€ da conta bancária não se compadece com a minha vontade, infelizmente. Contudo, desconfio que toda a gente sabe algo que eu não sei, nomeadamente o sítio onde dão iPhones, porque parece que todos têm um... menos eu.
Aliás, logo eu que já sou um acérrimo adepto do iPhoda.se no meu dia-a-dia.

Pony Pony Run Run

Imagem
Apresentaram-me estes tipos recentemente. À partida parece que estamos a ouvir os Metronomy franceses, mas depois... bem, depois cada música que se ouve soa melhor que a anterior. Definitivamente uma banda a seguir com atenção e que ficava mesmo bem no cartaz do Paredes de Coura.

O calor, a televisão e os portugueses.

Está calor e as TV's correm para as praias, parques aquáticos e qualquer outra poça de água para entrevistar o "português comum".

Eu não quero:
- ouvir o português comum dizer que está calor. Eu sei-o;
- ver o português comum dizer "Pois, aqui é que se está bem, não é?";
- ouvir o português comum dizer "É sempre bom estar ao pé de água quando está muito quente";
- jornalistas a fazerem perguntas tão interessantes como "Como é que lida com o calor?";
- portugueses comuns a desfilarem de fatos de banho.

Por fim, lamento imenso por nunca acontecer nada de espectacular durante estes directos. Não há sentido de oportunidade da coisa. Alguém se podia afogar em directo ou assim, não?


Se eu me tivesse mantido no jornalismo e somasse a esse azar ter que fazer directos de praias ou rios ou de onde quer que seja, certamente eu iria tentar entrevistar o puto obeso que acabou de enfardar três bolas de Berlim, que esteve cinco horas ao sol e que eu vou incentivar…

Não sei muito bem porquê...

Imagem
... mas esta música soou-me a banda sonora perfeita para este dia de calor.

"Jantares com casais amigos que foram recentemente pais"

Um excerto do meu livro, que ainda está a ser trabalhado, intitulado "Manual de Sobrevivência para Pessoas quase nos Trinta e cujas Coisas à sua volta parecem estar a avançar depressa de mais". (O título, obviamente, é também um work in progress...).

No capítulo "Jantares com casais amigos que foram recentemente pais", exponho uma lista de tópicos de conversa que nunca deverão ser abordados à mesa, nem sequer soltar a mais ligeira piadola sobre os mesmos. Considerem-se avisados.

A lista proibida:

- Caso Maddie
- Restaurantes/bares novos onde não há lugar para não-fumadores e seja difícil estacionar.
- Caso Joana
- Bebedeiras
- Caso Rui Pedro
- Sexo
- Bibi
- Drogas (ilegais)
- Último modelo da Porsche

Esta lista, tal como tudo o resto, é um work in progress. Mais coisas serão acrescentadas mediante a experiência própria do autor da obra.

"Ó Relvas põe-te a andar, vai mas é estudar!"

Definitivamente, podemos ser dos mais pobrezinhos e tótós dos que por cá andam, mas se há coisa para a qual o português é bom, e está sempre pronto, é para ser chalaceiro, mandar uma piadola, soltar um trocadilho, atirar um grito de ordem.
Devíamos começar a pensar em transformar esta capacidade num produto que se pudesse exportar. Vamos vender isto aos alemães, finlandeses, noruegueses e outros do género.

Duas coisas muito boas (Milhões de Festa e The Macaques) e que pouca gente entende.

Imagem
Imagem
E isto (a série televisiva) está tão bem criado que mesmo quem segue a BD, mantém-se interessado na série, pois esta vai mais além do que a mera adaptação fiel dos comics. Segue a sua própria história, criando eventos que não existem na BD e mantendo personagens que há muito saíram das páginas dos livros. Sem dúvida uma das melhores séries dos últimos tempos. Mesmo para quem não gosta de zombies.

Vómitos

Realmente, isto há rádios mais "preparadas" para transmitir em directo de festivais do que outras.
Dominar a nobre arte de "encher o chouriço" sem deixar no ouvinte uma certa vontade de induzir o vómito não é coisa que todas as rádios dominam. 
E nem vou falar das coberturas que os canais televisivos por cabo fazem dos festivais. Tipas que falam sobre tudo, mas mesmo tudo e não dizem rigorosamente nada.

Esta merda é épica.

Imagem
Da música ao vídeo. Épico.

What the hell is going on?

Imagem
Que horror... Estou-me a transformar numa daquelas pessoas que fazem desporto.

Também me casava na boa com esta moça.

Imagem
Mas aquela parte cantada em indiano faz-me uma certa confusão, confesso.

Assim se vê como somos grandes.

Imagem
Mesmo num jogo a feijões somos gamados.


Vamos lá, Mister! Nós "acarditamos"!

Eu não consigo dizer que conheço verdadeiramente um gajo se:

não bebi uns copos com ele (bebedeira)
não falei de gajas com ele (falar mal das vacas das ex's, mainly)
não sei de que clube é ("Este ano o Benfica vai ser campeão se vocês não andarem a comprar árbitros!")
não sei qual a sua piada favorita (com a elevada carga etílica nos cornos vamo-nos rir que nem parvos, mesmo que não tenha piada nenhuma)
não apanhei uma bebedeira de caixão à cova com ele (e andámos a fazer merda nas Urgências)não fiz uma aposta parva com ele. (Aposto que consigo saltar aquele muro - Ndr: muro com quase dois metros de altura. -  sem lhe tocar!)


São tudo merdas que um homem precisa para conhecer a sério outro homem. (E criar uma amizade para a vida.)

True story.

Já disse há umas centenas de posts atrás que me casaria com esta mulher.

Imagem
Mantenho o que disse.

Fucker.

Imagem

As espanholas - parte II

Imagem
Eu já o tinha dito antes


Este vídeo só me dá razão. Vejam como a moçoila espanhola deixou o Unas sem palavras (e a ganir).

Obrigado Ana Galvão.

Imagem
Inventei um drinking game. Para jogá-lo há que seguir estas instruções.

Ir buscar a bebida alcoólica favorita. De preferência algo bem forte, que "bata" bem.Servir-se de um copo. É só para aquecer...Ligar o rádio e sintonizá-lo na frequência da Antena 3  algures entre as dez horas da manhã e as treze.De cada vez que a Ana Galvão, a animadora de serviço, disser a palavra "carimbo" (e acreditem que ela diz muitas vezes), despacha-se um copo.Tendo em conta o horário em causa, acreditem que os vossos almoças vão passar a ser bem mais animados.

Sr. Beck, mas o que é isto?

Anda a mexer assim com os clássicos dos outros e ainda se atreve a fazer uma versão do #$#"%"#?!
Shame on you, Mr Beck. 


And thank you so much.

Isto é tão bom.

Imagem
Ainda bem que o outro (Gotye) se lembrou de a convidar para o tal tema. Merecíamos conhecer isto há mais tempo.

The Walking Dead...

Imagem
... a BD, chegou à edição nr.º 100 e presenteou-nos com estas maravilhas na(s) capa(s).







Vibes e bicicletas ou "Como um gajo já não caminha para novo"

Imagem
De vez em quando um tipo tem um "vibe" (leia-se "vaibe", bonita expressão que fez sucesso na segunda metade da década de 90 do século passado). Hoje acordei com vontade de ir à garagem dos meus pais procurar a minha bicicleta. Não quer dizer que seja para andar nela, um gajo pode querer apenas limpar o raio da bicicleta, não?
Mas lá fui resgatá-la dos confins da garagem. Pneus vazios, corrente sem óleo, travões fodidos, alguma ferrugem. Uma tarde inteira de volta daquilo e como resultado final: bicicleta com ar impecável.
E foi aqui que a coisa começou a descambar. Ao olhar para a bicicleta, toda limpa e reluzente, de que é que eu me haveria de lembrar? Claro está, rua abaixo, e lá ia eu todo contente, a levar com o vento na tromba e a recordar memórias de infância e adolescência (em que a bicicleta era a rainha, vilmente destronada pelo automóvel na idade adulta). Chamo a atenção para a linha onde escrevi "(...) rua abaixo (...)". 

Quando dei conta, já tinh…

Sobre aqueles blogues onde aparecem moças a mostrar roupas e assim.

Publiquem apenas fotos vossas se forem efectivamente... boas.
Para pessoas que não percebem um corno de estilo e estilos esse é o único interesse. Se não forem boas, por favor, não publiquem. É que a coisa ganha ali um misto de trágico-cómico. Primeiro um tipo ri-se, depois começa a ficar deprimido.

Foda-se! Puta que pariu!

Imagem
Eu sabia que este dia podia chegar. Mas tal como o dia em que se tem que ir arrancar os dentes do sizo, pensei que demorasse mais tempo.
Basicamente eu odeio dubstep. Chamar aquilo música é uma ofensa para quem faz música... a sério. O problema é que eu sabia que mais cedo ou mais tarde iria engraçar (engraçar, nem punha a possibilidade de efectivamente gostar de uma ou outra música daquele cabrão de estilo (?) musical. Mas, pronto. Esse dia chegou. Já tinha ouvido falar deste anão que parece o filho de  um geek e uma gótica. Por curiosidade fui ouvir algumas música e... o filho da puta do caldo entornou-se.
Ele tem algumas músicas das quais efectivamente (e nem acredito que vou escrever isto...) gosto. Cabrão.



Mas depois do choque inicial, dediquei-me a estudar a besta e a sua habilidade. E já topei o pequeno cabrãozinho. O que ele toca/produz não é dubstep a 100%. O sacana mete ali elementos de electro, house e até música mais pesada (metal) nas músicas. Depois lá serve aquilo num prat…

Porque é que eu desconfio que esta malta é toda virgem?!

Imagem

Que o homem tem talento para a música já sabia. Agora, para a comédia...

Imagem

"Well polish my nuts and serve me a milkshake"

Imagem
Lá consegui ver o último capítulo da saga American Pie, "American Reunion". Tal como seria de esperar, o filme é fraquito. De todos os que foram criados sob aquela chancela, o primeiro será mesmo o melhor de todos, seguido do terceiro.

Para o bem e para o mal, os filmes "American Pie" (mais uma vez, principalmente o primeiro) ficarão para a História do cinema. Nem que seja por terem inaugurado um sub-género, o das comédias de adolescentes, e por nos terem apresentado personagens memoráveis como "Mr. Levenstein"ou Steve "Stifmeister" Stifler, uma figura que merecia a sua própria saga.

Imagem
É impressão minha ou hoje em dia toda a gente pensa que sabe escrever? Artisticamente falando, claro.
Imagem
Tal como todo o muçulmano deve ir uma vez na vida, em peregrinação, a Meca, ou o católico a Roma ver o Papa, o geek da Guerra das Estrelas deve ver, uma vez por ano, toda a primeira trilogia Star Wars.

As gajas são umas cabras.

Não só para os homens, mas principalmente umas para as outras.
Veja-se o exemplo do Facebook. Sempre que uma mulher coloca uma foto nova onde aparece numa pose mais sensual (leia-se, mais apetecível aos olhos masculinos), é certo e sabido que muitos dos "likes" serão de outras mulheres. Sem falar nos comentários, "Cada vez mais linda!", "Gira como sempre!" ou o clássico "És linda, miga". 
Será que sou só eu que consigo ler nas entrelinhas e perceber que o que os "likes" e aqueles comentários realmente querem dizer é algo como "Vaca gorda, quem me dera ser assim!"?

E ver estes rapazes ao vivo, dia 13 de Julho, no Alive?

Imagem
Era bom, não era? Era, sim senhor, mas parece-me que não vai ser desta.

Eu não gosto de Beirut.

Imagem
Mas esta música e este videoclip são qualquer coisa.

Faço orçamentos.

Se o outro se licenciou num ano, será que eu, que passei a tarde a instalar focos e a ligar fios, já posso dizer que tenho o curso profissional de electricista?

"Tourada conquista recorde de audiências em dia de chumbo na AR" - Karma's a bitch, hein?

O que é que se pode dizer sobre isto?

Nada. Ou muito pouco. É para ouvir até mais não e pronto. Estamos a falar de um miúdo francês de 17 anos que faz música assim. 
Nesta mini mix (para o programa desta moça) inclui samples de perto de uma centena de músicas. Definitivamente, não é qualquer um.

"Flexibilizar o mercado de trabalho"

Imagem
Acho um piadão à expressão ali acima. É dita, escrita e apresentada como uma das soluções para relançar a moribunda economia nacional. Um D. Sebastião que regressa numa manhã de nevoeiro para trazer prosperidade a este canto à beira-mar. O que é curioso é que sempre que oiço esta expressão soa-me sempre a algo como "foder (ainda mais) os trabalhadores".
Vai-se flexibilizar o mercado para beneficiar quem? Os trabalhadores? Pois... na teoria, no papel, na mente dos economistas principescamente pagos para lançarem bitaites sobre a "conjectura economica internacional" a coisa talvez resulte, mas transpondo-a para a realidade lusitana aí... aí já é outra conversa.

Não duvido (duvido um pouco, vá...) que talvez seja uma das ferramentas para alavancar a economia nacional, mas isto era coisa para resultar nos países do Norte da Europa, onde a mentalidade e o respeito pelos trabalhadores é algo que não faz parte do campo da intenção. Em Portugal, com o patronato que temos (a …

A música deste Verão.

Imagem

Eu sempre gostei de miúdas inglesas.

Imagem
Não sei se serão aqueles olhos. Não sei se será a sua voz. Mas esta rapariga mexe comigo. (Para quem não sabe quem é.)

Todos nós devíamos ter um Wilfred.

Imagem

Sucks

Um tipo sabe que é adulto quando tem o seu nome em cartas de seguradoras e afins. 
Mas sabes que és verdadeiramente adulto quando as cartas de seguradores a afins são para pagar.
Foda-se.

Músicas da categoria "Cresci a ouvir esta porra e nem me dei conta disso"

Imagem

Vou bater na Optimus.

Mas tenho direito a isso porque sou cliente da empresa. Já fui mais (cliente), até ter uma série de chatices que, verdade seja dita, não são directamente culpa da empresa mas dos funcionários (e da sua incompetência) que dão a cara pela mesma.  Alguém não anda a fazer o seu trabalho no recrutamento de colaboradores...
Mas o que me irrita profundamente são as campanhas publicitárias da empresa. Especialmente a última com aquela cantilena dos Beatles, "All together now". É cachty, fácil de decorar e é... em inglês. Será que os criativos por trás da ideia não conseguiam pensar em algo em português, sendo que a Optimus é lusa e o seu mercado é essencialmente nacional?
Como se não bastassem enveredarem pelos caminhos mais fáceis e merdosos da publicidade, agora vêm com um anúncio sobre a "Aldeia Global". Para isso filmaram em Trás-os-Montes, procurando fazer jus ao conceito de aldeia. E lá mostra o velhote, que mal pode com as pernas, a lavrar os terrenos com um arado pux…

Se algum dia tiverem dificuldade em explicar o conceito de "épico" a alguém, ponham-lhe isto à frente.

Imagem

True Story

As mulheres nunca irão perceber os homens enquanto continuarem a acreditar nas merdas que as amigas, os gays e os amigos gays lhes dizem.
Imagem
Tanta coisa aconteceu desde a última vez que escrevi aqui. Não vou falar sobre isso porque é passado.
Se caminharmos para a frente, mas sempre a olhar para trás, é certo que vamos acabar por cair. E o que interessa é o que ainda está para vir.
É fechar os olhos, respirar fundo e deixar esta música alimentar-nos a alma.
Obrigado AC/DC.