Condutores de primeira.

Detesto profundamente os “condutores de primeira”. Isto é, aqueles senhores que metem a primeira velocidade e pronto… já está! Agora é só deixar-se levar à “estonteante” velocidade de 20 km/h e deixar que a fila de automóveis se forme lá atrás.

Será que estas pessoas sabem que se multa por excesso de velocidade, mas também por ”défice de velocidade”?
E depois o que acontece? Forma-se uma fila enorme atrás. Cada um a tentar a ultrapassar, nervos a serem colocados em franja, e meio caminho andado para que se façam manobras perigosas e o consequente acidente. Mas o “condutor de primeira” lá vai, impávido e sereno, na sua função de foder a vida a quem quer circular pelo menos a 90 km/h.

Depois, têm a noção de que estão a estorvar, mas não fazem o mínimo por facilitar a vida aos outros… Qual encostar, qual quê! Pisca à direita para ultrapassarem? E o gasto de bateria que isso vai dar?

E por falar em gasto, surge-me agora a ideia que estes indivíduos circulem a esta velocidade como forma de poupar no combustível, que está visivelmente caro. Mas se assim é, então, andem de transportes públicos, a pé ou de bicicleta…

Isto porque, depois de anos a ver filmes com perseguições automóveis (ah, quem me dera ter o carro do Stuntman Mike, completely death proof!), jogar videojogos de corridas de automóveis, dou por mim com vontade de atirar o carro à minha frente por uma ravina abaixo.
Não o faço por alguns motivos. Primeiro, destruía o meu carro, e depois, não há assim tantas ravinas por aí quanto isso…